16/09/2019

O Jornal Edições Anteriores Mídia Kit Fale Conosco

16/09/2019

Brasil faz campanha histórica no Parapan de Lima 2019, com 124 ouros entre as 308 medalhas conquistadas

Publicado em 05/09/2019

Após nove dias de competição, nossos atletas chegaram à inédita marca de 308 medalhas, entre as quais 124 de ouro, 99 de prata e 85 de bronze. Nunca nenhum país somou tantas vitórias em uma ún

 

Os Jogos Parapan-Americanos de Lima 2019 se encerraram neste domingo, 1º de setembro, e entram para a história como o que o Brasil mais conquistas acumulou. Após nove dias de competição, nossos atletas chegaram à inédita marca de 308 medalhas, entre as quais 124 de ouro, 99 de prata e 85 de bronze. Nunca nenhum país somou tantas vitórias em uma única edição de Parapan.

 

O último pódio do Brasil nos Jogos Parapan-Americanos de Lima veio com o paulista Lauro Chaman. Ele foi ouro na prova de resistência no ciclismo de estrada. É a terceira medalha dele em Lima - já havia conquistado um ouro na perseguição individual de pista e uma prata no contrarrelógio de estrada. 

 

O Brasil deixa Lima como primeiro colocado no geral, com o dobro de campeões do segundo colocado no quadro de medalhas. Os Estados Unidos foram os vice-campeões na capital peruana com 57 ouros entre 182 no total. Apenas dois à frente do México, terceiro colocado, com 55 de 158.

 

Ao todo, 512 integrantes compuseram a missão brasileira em Lima, sendo 337 atletas, entre os quais atletas-guias, calheiros, goleiros e pilotos, que não possuem deficiência, de 23 estados e do Distrito Federal em 17 modalidades.

 

Desde os Jogos Parapan-Americanos do Rio de Janeiro 2007, quando a competição passou a ser realizada na mesma sede do Pan-Americano, a delegação Brasil é imbatível no topo do quadro de medalhas. Contudo, nunca superado 257 láureas e 109 ouros, recordes alcançados na edição de quatro anos atrás, em Toronto, Canadá.

 

“Foi uma competição desafiadora e, certamente os Jogos Parapan-Americanos mais difíceis que o Brasil já disputou. Foi uma campanha memorável do Brasil. Nossos atletas lograram mais êxitos do que nós prevíamos ou imaginávamos”, comentou Mizael Conrado, presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro, ex-jogador de futebol de cinco (para cegos), bicampeão paralímpico (Atenas 2004 e Pequim 2008). 

 

Desde o sábado, 24, dia seguinte à cerimônia de abertura no Estádio Nacional de Lima, o Brasil ficou à frente dos rivais, com uma média de 34 pódios diários. Neste cálculo, a média de ouros diárias era de 13 ocasiões. Das 17 modalidades em disputa, os brasileiros dominaram o quadro de medalhas em 11: atletismo, natação, bocha, halterofilismo, tênis de mesa, judô, badminton, taekwondo, goalball, além dos coletivos futebol de cinco (para cegos) e futebol de sete (paralisados cerebrais).

 

Entre as performances individuais dos atletas brasileiros, duas chamam a atenção, ambas na natação. Daniel Dias alcançou a inédita marca de 33 medalhas de ouro em 33 provas disputadas em Parapans, desde o Rio 2007. Phelipe Rodrigues foi o competidor que mais ouros leva na bagagem de volta para casa. Ele participou de oito provas, ganhou sete ouros e um bronze.

 

Daniel chegou ao Parapan de Lima com 27 pódios. Nadou seis provas e manteve 100% de aproveitamento. Sagrou-se campeão nos 50m, 100m , e 200m, 50m costas, 50m borboleta, e revezamento 4x100m medley 34 pontos (soma da classificação funcional dos integrantes). Já Phelipe Rodrigues foi o mais rápido nos 50m, 100m e 400m livre, 100m borboleta, 200m medley, ouro nos revezamentos 4x100m livre e 4x100m medley, e bronze nos 100m costas.

 

Os dois deixaram Lima na manhã deste domingo (01/09), juntamente com outros 24 nadadores da Seleção Brasileira, que disputam, a partir de 9 de setembro, o Campeonato Mundial, no complexo aquático do Parque Olímpico de Londres.

 

Comitê Paralímpico Brasileiro
Centro de Treinamento Paraolímpico Brasileiro
Rodovia dos Imigrantes, km 11,5 – (Pista norte)

 

 

Foto: Douglas Magno/EXEMPLUS/CPB

 

 

 

FECHAR

 
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade